Postado em 16 de Outubro de 2017 às 22h37

LESÕES EM CORREDORES E MEDIDAS PREVENTIVAS

  • Dr. Márcio Telesca – Especialista em Cirurgia de Coluna -
Dr. Márcio Telesca – Especialista em Cirurgia de Coluna Embora seja um esporte muito popular e extremamente saudável, a corrida vem acompanhada de lesões. A incidência varia de estudo para estudo, podendo encontrar-se...

Embora seja um esporte muito popular e extremamente saudável, a corrida vem acompanhada de lesões.

A incidência varia de estudo para estudo, podendo encontrar-se números de 3 a 59 lesões por 1000 horas de corrida, um número bastante expressivo.

Nesse contexto, o passo inicial é estabelecermos a causa e o mecanismo de lesão.

Normalmente ocorrem quando uma determinada estrutura como músculo ou tendão é exposto a um grande número de forças respetitivas, produzindo um efeito combinado de fadiga ao longo do tempo.

Quando o tempo de adaptação é muito curto ou  o volume de treino é muito alto, está estabelecido o contexto ideal para que ocorra.

Na maioria das vezes ocorre por erro de treinamento: velocidade, intensidade ou frequência.

 
Treinamento como fator de risco


Como fator de risco extrínseco, o treinamento tem variáveis ??como freqüência, intensidade, duração, alongamento, calçado adequado, superfície de corrida, técnica de corrida, órteses, aquecimento e resfriamento. 
 Alguns destes já foram extensamente estudados e não provaram influenciar o surgimento de lesões.
No início, o tênis tinha somente função de proteger o pé. Quando o boom de corrida começou na década de 1970, os calçados de corrida foram construídos com material flexível com uma sola exterior fina.

O tênis de corrida moderno tem uma entressola absorvente de choque e um calcanhar com algum grau de elevação e calcanhar rígido para absorção de choque e controle de movimento. Os motivos dessas tecnologias foram a prevenção de lesões e aprimoramentos de desempenho.

 A discussão dos calçados  de corrida mudou drasticamente em 2010, quando publicou-se "Padrões de golpe de pé e forças de colisão nos corredores habitualmente descalços versus deslizadores". Concluiu-se que os movimentos da região anterior e do meio do pé provavelmente eram mais comuns quando os seres humanos correm com os pés descalços  e podem proteger os pés e os membros inferiores de algumas das lesões relacionadas ao impacto atualmente experimentadas por uma alta porcentagem de corredores. Esta conclusão deu origem a discussões ferozes  em blogs e publicações. 

Técnica

De acordo com o ponto de apoio no chão, seja a parte anterior do pé, a região intermediária ou a região calcaneana, a área de absorção do impacto e transmissão deste se dará de uma ou outra forma.

Embora estudos mais esclarecedores neste aspecto sejam necessários, o que concluiu-se até o momento é que o mais importante é como você corre do que aquilo que você está calçando, desde que o tênis seja o adequado para o seu tipo de pisada.

Fatores de risco anatômicos

Além de variáveis como idade, altura, peso, arco de movimento do tornozelo, assimetria de membros inferiores, talvez o mais estudado seja o tipo de pé. Em recente estudo de cerca de 900 indivíduos, este foram divididos em: muito supinados, supinados, neutro, pronado, muito pronado. Não foi provado neste estudo que um ou outro tipo de pé está mais propenso a lesão.

 

 

Orientações

Talvez a mais importante seja respeitar o seu limiar físico, lembrando que você necessitará de um período de adaptação ao exercício, sendo válido tanto para os iniciantes como para os mais experientes que estão alterando sua rotina.

Aprenda a "ouvir o seu corpo": dor contínua ou rigidez em algum ponto específico, indica que aquele local está sendo exigido além do seu limite e a situação poderá progredir.

O fortalecimento dos grupos musculares mais exigidos auxiliará a proteger as articulações, lembre-se que a energia do movimento irá ser absorvida nelas, logo com músculos mais condicionados a chance de lesão é automaticamente menor.

Você pode tentar diferentes superfícies de corrida, usar tênis diferentes, durações e intensidades diferentes de sessões de treinamento, várias técnicas de corrida e realizar outras atividades esportivas com menos carga axial. Desta forma, o corpo recebe diferentes estímulos ao longo do tempo e provavelmente será  mais capaz de reagir sobre essas cargas variadas com uma adaptação positiva do sistema músculo-esquelético e, assim, diminuindo a chance de uma lesão.

 

 

    Veja também

    DOENÇA FACETÁRIA CERVICAL12/11/17 Também conhecida como síndrome facetária, pode ocorrer em qualquer dos segmentos da coluna. Abordaremos especificamente a coluna cervical. As articulações facetárias compreendem a região posterior onde 2 vértebras se unem, neste local ocorrem movimentos de flexão e extensão e o bloqueio do movimento de rotação. Das dores da......
    ENTENDENDO A DOR CIÁTICA21/09/17 A “ciática” não é uma doença, mas sim um sintoma. Sendo o maior nervo do corpo humano, ele pode ser afetado em diversos locais, seja por um processo inflamatório, como ocorre em uma hérnia discal que......
    COLUNA VERTEBRAL E OSTEOPOROSE18/10/19 A fratura da coluna vertebral por fragilidade óssea é normalmente a primeira e a mais comum de ocorrer. Estudos demonstram que em até 15% das mulheres entre 50-60 anos já apresentam a lesão e em faixas etárias mais......

    Voltar para Blog