Postado em 27 de Julho de 2017 às 09h09

Dor na região do quadril em praticantes de atividade esportiva

Tudo em medicina está conectado, sempre devemos ter esse princípio em mente.

As pessoas podem apresentar mais de um motivo para queixa ao mesmo tempo. Assim, nós devemos pensar em todos eles quando lidamos com o problema.

Toda uma série de problemas pode afetar os quadris:
- alterações intra-articulares como lesões condrais e cápsulo ligamentares;
- fraqueza da parede músculo-ligamentar da região abdominal/quadril, ocasionando hérnias locais;
- microlesões que podem acontecer conforme a demanda e o tipo de atividade executada, traduzindo-se muitas vezes numa pubalgia.

Estes problemas são muito comuns em atletas, tanto recreacionais quanto profissionais, exemplificando, em um estudo radiológico feito com profissionais, mais de 50% apresentaram alteração em exames.

Em estudo em andamento, até agora descobriu-se que 37,5% dos jogadores da equipe masculina de futebol dos EUA tiveram cirurgia de hérnia esportiva e 12,5% deles tiveram uma cirurgia de hérnia esportiva bilateral.

Eventualmente um desses problemas evolui e acaba gerando outro, pois a amplitude de movimento dos quadris altera-se, bem como a biomecânica local e consequente distribuição assimétrica de forças.

Muitas vezes os achados físicos são sutis e não necessariamente se traduzem em alterações em exames de imagem, o que torna o diagnóstico ainda mais desafiador, ainda mais em uma situação inicial.

Então proceder metodicamente, baseado na história detalhada da queixa, examinar minuciosamente a região dolorosa e principalmente fazer um seguimento adequado, observando a evolução clínica e a melhora ou persistência de sintomas e não basear-se somente em exames de imagem como rotineiramente vemos é sem dúvida nenhuma essencial para que possamos oferecer ao paciente um tratamento eficiente e racional.

E lembrar sempre que a existência de um problema, não necessariamente excluirá outro logo nas proximidades.

Veja também

Entendendo a DOR CRÔNICA12/09/17 Todo mundo sente dor de vez em quando. Quando você corta o dedo ou leva uma pancada no esporte, a dor é a maneira do seu corpo de lhe dizer que algo está errado. Uma vez que a ferida cura, deve parar de doer.  A dor crônica é diferente. Seu corpo continua doendo semanas, meses ou mesmo anos após a lesão. A dor crônica pode ter efeitos reais sobre sua......
FIBROMIALGIA05/09/17 Recentemente foi publicada pela EULAR(European League Against Rheumatism) novas diretrizes a respeito do tratamento da fibromialgia. Esta é a primeira atualização em mais de uma década, não sendo somente baseada em......
ENTENDENDO A DOR CIÁTICA21/09/17 A “ciática” não é uma doença, mas sim um sintoma. Sendo o maior nervo do corpo humano, ele pode ser afetado em diversos locais, seja por um processo inflamatório, como ocorre em uma hérnia discal que......

Voltar para Blog