Postado em 27 de Junho de 2019 às 09h49

DOR CERVICAL: CEFALEIA CERVICOGÊNICA

  • Dr. Márcio Telesca – Especialista em Cirurgia de Coluna -

É o nome que damos quando a queixa de uma dor de cabeça tem a origem específica na região do pescoço.
Normalmente o sintoma manifesta-se unilateralmente. Pode ser originada de várias fontes:
- músculo-ligamentar
- ósteo-articular
- neurológica
Diversas situações podem levar a sua ocorrência: trauma, doença inflamatória, processo infeccioso ou mesmo tumores.

  • Dr. Márcio Telesca – Especialista em Cirurgia de Coluna -

Sua identificação imediata nem sempre é possível porque eventualmente a dor maior não é localizada no pescoço, embora o problema comece ali. Muitas vezes é confundida com cefaleia tensional ou enxaqueca e as características destas são diferentes, cabendo ao profissional identifica-las corretamente na coleta da história e exame físico.

  • Dr. Márcio Telesca – Especialista em Cirurgia de Coluna -

Outras situações possíveis de levar a confusão diagnóstica são disfunções da articulação têmporo-mandibular ou outros problemas odontológicos.
É observada mais comumente em indivíduos do sexo feminino e em pessoas que necessitam manter uma postura estática da região cervical por longo tempo, tais como cabelereiros, motoristas e carpinteiros.
Pela sua ampla possibilidade de origem e causas, a intensidade também é muito variável: desde um leve desconforto eventual até dor constante e muito intensa.
Normalmente observa-se a flexibilidade diminuída na movimentação e desconforto específico na palpação do local de origem.
O diagnóstico primário é clínico, ou seja, baseada num exame físico e uma história bem detalhada.
Embora solicitemos exames de imagem ou laboratoriais para identificar uma possível causa, nem sempre estes apresentarão alterações que identifiquem claramente a origem do problema.

Tratamento
É fundamental o diagnóstico correto primeiramente.
Afastadas situações mais graves como algumas das acima citadas, várias alternativas são cabíveis:
- medicações: diversas classes podem ser utilizadas, dependendo do tempo de duração da queixa e intensidade dos sintomas. É comum vermos paciente usar uma medicação orientada por um amigo ou familiar, nem sempre o que funciona para um irá funcionar para outro;
- fisioterapia: a eletroterapia e a termoterapia podem trazer razoável alívio ao sintoma doloroso, o tempo de resposta é muito variável de indivíduo a indivíduo;
- terapia manual: técnicas de manipulação específicas associadas a medidas fisioterapêuticas;
- mobilização assistida por instrumentos;

  • Dr. Márcio Telesca – Especialista em Cirurgia de Coluna -
  • Dr. Márcio Telesca – Especialista em Cirurgia de Coluna -

Nos casos refratários ao tratamento conservador, outras medidas podem ser aplicadas:
Injeção epidural cervical:
Procedimento realizado em centro cirúrgico, onde necessitamos de aparelho específico para orientação correta da agulha. A medicação introduzida tem o objetivo de diminuir o processo inflamatório local, alterando a percepção do nível de dor;

  • Dr. Márcio Telesca – Especialista em Cirurgia de Coluna -

Injeção esteróide intra-articular cervical:
Semelhante a técnica anterior, porém a medicação é introduzida diretamente dentro da articulação entre uma vértebra e outra;

  • Dr. Márcio Telesca – Especialista em Cirurgia de Coluna -
  • Dr. Márcio Telesca – Especialista em Cirurgia de Coluna -

Neurotomia por radiofrequência:
Se confirmada a queixa através de um bloqueio anestésico previamente e a condição reaparecer, é uma opção atraente. Consiste em criar uma lesão térmica no nervo responsável pela dor, impedindo que seu sinal seja enviado para o cérebro. Embora a terminação sensitiva volte a se regenerar muitas vezes a queixa não retorna.

  • Dr. Márcio Telesca – Especialista em Cirurgia de Coluna -

Tais procedimentos não são isentos de riscos e os prós e contras da sua realização devem ser sempre explicados pelo profissional e debatidos com o paciente e seus familiares.
Também é importante o seguimento adequado do quadro, pois há casos que a queixa recidiva se cuidados de prevenção adequados não forem seguidos.

Veja também

LESÕES EM CORREDORES E MEDIDAS PREVENTIVAS16/10/17 Embora seja um esporte muito popular e extremamente saudável, a corrida vem acompanhada de lesões. A incidência varia de estudo para estudo, podendo encontrar-se números de 3 a 59 lesões por 1000 horas de corrida, um número bastante expressivo. Nesse contexto, o passo inicial é estabelecermos a causa e o mecanismo de lesão. Normalmente ocorrem quando......
DOR LOMBAR NA GESTAÇÃO28/07/19 É a queixa mais comum em gestantes, entre 50-80% apresentarão pelo menos um episódio durante a gestação ou nos primeiros meses após o parto. A causa na maioria das vezes não é bem definida e pode estar......
TUMOR MALIGNO NA COLUNA12/05/19 Condição de extrema gravidade, pois indica progressão da doença, é vista em cerca de 40% dos pacientes com diagnóstico de câncer em algum outro órgão. O esqueleto é o 3º local mais......

Voltar para Blog